A transformação do aprendizado

Você já parou para pensar na quantidade de informações que você recebe por dia? Centenas de mensagens de what’s app, infinitas atualizações de status do facebook, episódios de séries, notícias, vídeos… Sabe aquela sensação de que o mundo está girando cada vez mais rapidamente? Você não está sozinho, muitos de nós estamos vivenciando essa sensação agora mesmo, porém devemos nos questionar como fica o aprendizado no meio de tudo isso.

O conhecimento durante muitos anos estava preso nos livros, dentro das bibliotecas ou de uma sala de aula personificado no papel do professor, dono do saber naquele ambiente com vários alunos. A aula é expositiva, o professor passa o conteúdo, e os alunos repetem aquelas informações como verdades absolutas. Contudo, atualmente uma informação passada pelo professor, pode ser checada em questões de segundos. O aluno que antes esperava o conhecimento ser repassado pelo professor já não existe da mesma forma. Sua vida é muito diferente da que levou seu professor, há 40, 30, 20 anos atrás. Não pense isso somente como escolas para crianças e adolescentes, mas também as faculdades, as pós-graduações, os cursos livres, técnicos.

O conhecimento está em todos os lugares, milhares de fontes, celulares, tablets, computadores, relógios, televisões, ebooks, cursos online; está mais acessível, porém são tantas opções que não conseguimos aproveitar tudo, por isso o papel da escolha é tão importante. Somos independentes, podemos buscar o que realmente queremos aprender, podemos encontrar pessoas que busquem os mesmos aprendizados que nós. A sala de aula já não é mais a principal fonte do conhecimento. Mais e mais é comum pessoas se reunirem para compartilhar conhecimentos, o professor deixa de ser o único com o saber, e passa a ser um mentor, um tutor e apresenta vários pontos de vista e aprende junto com os alunos.

De acordo com o professor Richard Elmore, professor da Harvard Graduate School of Education, “ninguém sabe qual será o resultado da transformação do aprendizado” e, realmente, é tudo muito novo, porém não devemos ter medo e sim buscar o melhor dos dois mundos para que tenhamos o melhor da escola formal com a escola informal usando como ferramentas as opções que a tecnologia nos proporciona.

E quando a gente aprende algo sozinho? Buscamos a informação na internet e viramos autodidatas, professores de nós mesmos. Será que não somos nossos melhores professores? Uma vez que a internet tem muita informação, e ela está aí simplesmente esperando ser aprendida por alguém. E nós estamos aqui, lendo, vendo vídeos e… aprendendo!

Quantas coisas você não aprendeu por si só? Procurando informação no Google, chegando a um vídeo e treinando e praticando… Dá para aprender de tudo, desde de como fazer crochê a investir na bolsa de valores.

Tudo isso é muito novo, mas ao mesmo tempo tão empolgante (vocês não acham?). Viva a esse emaranhado de informações, idéias e possibilidades que a vida nos proporciona.

E você se considera um autodidata?